domingo, 30 de novembro de 2008

Cavalheirismo é fundamental

O verdadeiro cavalheiro é aquele que aplica as regras de comportamento com perfeito senso de oportunidade. Não é artificial e fingido quando ele exercita a gentileza e sabe que o primeiro teste para quem conhece as boas maneiras é tolerar as más.

Ele sabe ouvir com atenção, ainda que o assunto não interesse a ele. Não é exibido. Possui uma conversa leve, inteligente e bem-informada, e sabe dosar perfeitamente a seriedade, conforme a situação exigir. Consegue intercambiar assuntos como política, futebol e religião sem partir para a polêmica ou para a ignorância.

Utiliza uma linguagem elegante, fruto de pensamentos elegantes, prescindindo de palavrões, visíveis provas de desasseio mental. Normalmente, tem por hábito ceder o lugar aos idosos e às senhoras, assim como não se esquece de abrir-lhes a porta do carro. Numa calçada, caminha pelo lado do meio-fio, deixando o lado de dentro para elas.

Cultiva a discrição e nunca está presente em rodas de fofoca. Ao se oferecer para acompanhar uma mulher, não insiste se ela recusa. Não abusa da bebida, é pontual e adota o hábito de enviar flores com propriedade, sempre acompanhadas de um cartão discreto e amável.

Não acende o cigarro sem antes pedir licença – sempre levando em conta que, muitas vezes, as pessoas aceitam o cigarro só por educação. Levanta-se sempre para cumprimentar, toma cuidado com mulheres nas escadas e elogia sempre a beleza e elegância feminina, ainda que não concorde com alguma coisa - sabe que o importante é ser cavalheiro.

Bem diferente dos gaffeurs de plantão, que espantam qualquer mulher com suas escolhas lamentáveis. Vejamos as tragédias masculinas mais conhecidas e que prejudicam a imagem dos homens:

- se esquecer do aniversário da mulher e dos filhos
- comentar com os outros sobre suas conquistas amorosas
- falar alto, rir em altos brados retumbantes e usar um palavreado chulo
- olhar para outra mulher, mesmo acompanhado
- tentar seduzir uma mulher no primeiro encontro, normalmente ao final do primeiro jantar
- no restaurante, pedir o prato mais caro para "aparecer"
- ostentar durante todo o tempo o carro que tem e as roupas de grife que usa
- chamar o garçom de "amigo" ou "xará" e pedir a "dolorosa" em vez da conta
- prometer telefonar e não cumprir
- humilhar e tratar mal os empregados mais humildes
- dizer que mulher não sabe dirigir carro
- usar cuecas e gravatas do Mickey ou de qualquer outro personagem de desenho animado e meias furadas ou laceadas
- não cortar as unhas, deixar só a unha do dedinho comprida ou usar esmalte
- usar muitas correntes, anéis e pulseiras
- convidar uma mulher para sair e ficar falando sobre trabalho durante todo o jantar
- chamar a mulher de "princesa" ou "minha filha"
- usar frases como "Aonde você pensa que vai com esta roupa?"

Por Maria Aparecida A. Araújo
Fonte: http://www.catho.com.br/jcs/inputer_view.phtml?id=6104

Um comentário:

Anônimo disse...

Admirável, meus parabéns pelo excelente nível de cavalheirismo.rh